..::Ministério da Reconciliação::..

Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Estudos Bíblicos Escatologia A ERA ESCATOLÓGICA

A ERA ESCATOLÓGICA

E-mail Imprimir PDF

 

Há algo novo pairando na história do pensamento cristão há  pelo menos  dois séculos. Está relacionado ao debate teológico em torno da escatologia. Sem dúvida alguma os aspectos proféticos e escatológicos das Escrituras passaram a ser estudados, debatidos e compreendidos como nunca antes. Um maior entendimento das profecias bíblicas tem sido uma característica dos tempos finais da Igreja de Cristo na terra. E isso não é nenhuma surpresa. Quanto mais próximo estiver o fim de todas as coisas, mais necessário se torna aos santos uma compreensão desse assunto.

            As próprias Escrituras fornecem base para isso. O livro de Daniel, escrito no quinto século a.C., contém inúmeras profecias sobre o tempo do fim. É quase uma história antecipada do mundo. É curioso o fato de Deus ter dito a Daniel: E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até o fim do tempo (12.4a), enquanto diz para o profeta Habacuque  ...escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas, para que a possa ler quem passa correndo (2.2).  O Senhor dá ordens a Daniel para deixar o livro selado, ou seja, “indecifrado”, até o tempo de fim. Posteriormente, no versículo 9, torna a repetir: “Vai, Daniel, porque estas palavras estão fechadas e seladas até o tempo do fim” (cap.12).

            A grande abundância de estudos, palestras e livros que têm surgido desde o século XIX nada mais são do que o cumprimento das palavras acima. Era da vontade de Deus que seus mistérios, revelados a Daniel, ficassem guardados até o tempo oportuno. Estamos no kairós (tempo) de Deus para compreensão da escatologia bíblica. “Muitos o esquadrinharão (o livro de Daniel) e o saber se multiplicará” (Dn 12.4b —ARA). Não é isso que testemunhamos em nossos dias? Homens santos, consagrados a Deus e à sua Palavra têm esquadrinhado e explicado estas profecias e visões: “... mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão” (Dn 12.10b).

            Ao profeta Jeremias também foi prometido, duas vezes, maior luz sobre suas profecias no fim dos dias. Na primeira, é dito: “Nos últimos dias entendereis isso claramente” (23.20) e, na segunda: “No fim dos dias entendereis isto” (30.24). Glória a Deus!

Nunca se estudou tanto a escatologia quanto hoje. Jamais a Igreja se debruçou tantas horas a fio sobre este assunto como agora. Assim como no passado mentes brilhantes se preocuparam em definir as doutrinas de Deus, do pecado, do homem, ou da salvação, agora, e do mesmo modo, homens de grande capacidade têm gasto suas energias para extrair das Escrituras o que há de mais sólido quanto aos acontecimentos do tempo do fim.

No século XVIII Isaac Newton, grande físico e estudioso das profecias bíblicas escreveu:

“Perto do tempo do fim surgirão grupos de homens que voltarão sua atenção para as profecias e insistirão na sua interpretação literal, em meio a muito clamor e oposição”

Esses são os tempos em que vivemos e embora muitos continuem defendendo uma interpretação alegórica para as Escrituras, não resta dúvida que seu cumprimento literal em vários aspectos tem chamado a atenção.

A descoberta do significado central da escatologia para a mensagem e a existência de Jesus e para o Cristianismo primitivo (..) é sem dúvida alguma um dos eventos mais significativos da teologia protestante recente. Teve o efeito de um choque e constituiu um verdadeiro terremoto nos fundamentos da ciência teológica e na igreja em geral, na piedade e na fé dos meios protestantes do século XIX[1]

No entanto, assim como em outras doutrinas teológicas, no estudo das últimas coisas também encontramos pontos controversos. Nosso calendário escatológico não é aceito com unanimidade, embora seja recebido pela maioria dos cristãos.          Sistemas doutrinários chamados pós-milenismo, amilenismo, pós-tribulacionismo, etc., são questionados entre si quanto sua aceitação nas diversas denominações evangélicas.

Ainda outros questionam a riqueza de detalhes com que pintamos os quadros do tempo do fim. Todavia, vale ressaltar as bases bíblicas, mesmo com respeito aos detalhes, de nossas descrições proféticas. A escatologia atual não é apenas abundante. É bíblica. E não busca apenas formar um quadro nítido dos eventos futuros, antes, procura compor esse quadro com as tintas e os traços retirados da Bíblia Sagrada.



[1] MOLTMANN, Jurgen. Teologia da Esperança. Soa Paulo: Teológica, 1962.

 

 

helio

Pr. Eguinaldo Hélio de Souza

Escritor, apologeta e mestre em teologia

(www.devocionaiseesbocos.wordpress.com) 

 

 

 

estudosbiblicos5