..::Ministério da Reconciliação::..

Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Família Filhos

Filhos

Cuidados com a vida

Você sabe com quem está falando?
Você já ouviu alguém usar esta expressão? Normalmente ela está associada à questão do exercício de “poder”, quase sempre ligada a autoritarismo, uma pergunta para sufocar a outra parte. Normalmente associada a suposta falta de respeito, reconhecimento do poder e autoridade é evocado o “autoritarismo”. De alguma maneira desejo de constranger a outra pessoa, colocá-la numa posição de inferioridade e quase insignificância. O exercício exarcebado do poder humano. Muitas vezes no relacionamento conjugal mesmo em nome da fé, percebemos o exercício de uma força sufocante, que diminui o cônjuge, ou os filhos. Existe uma expressão que define esta situação de conflito: “se você deseja conhecer um homem de a ele poder e se quer conhecê-lo profundamente tire dele o poder”! Nossa sociedade é competitiva e existe um grande apelo para o exercício do poder. Talvez uma das grandes tentações dos nossos dias. A Igreja evangélica muitas vezes reproduz isto, quando procura “distribuir” cargos e instituir diversas “lideranças” sem muitas vezes estar ligadas de fato as necessidades do Corpo de Cristo e o exercício dos dons e ministérios. Ouvimos muitas orações no meio do povo de Deus pedindo: Senhor dá-nos poder! Porem não existe nada mais temeroso do que alguém ter poder de Deus sem o caráter de Deus. De igual forma o exercício do poder humano precisa estar associado ao caráter de Deus. Algumas considerações importantes para este tema. Primeiro situar que o conflito que envolve poder esta estabelecido em todos os níveis dos nossos relacionamentos. Comecemos pela nossa casa. Não é raro o conflito de autoridade no relacionamento familiar. Por exemplo, foi apresentada recentemente uma pesquisa que quem define o carro a ser comprado pela família são os filhos adolescentes e nãos os pais. Existe conflito no relacionamento conjugal, paternal e muitas vezes entre os irmãos. Quando se fala então em orçamento familiar, temos uma crise estabelecida, alguns cônjuges usam o ter mais dinheiro (ganhar mais por exemplo, ou situação da família anterior ao casamento) para dominar o outro. Segundo que temos conflitos na vida secular, na escola somos estimulados a ser o melhor não importa como; depois na vida profissionais a cobrança que existe nos leva a tentar superar os outros e no exercício da chefia, cargos de liderança, procura dominar seus comandados. Isto pode na verdade estar revelando um desvio de caráter e a ausência da manifestação da graça de Deus na sua vida. Terceiro ao voltamos os nossos olhos para a palavra de Deus quero convidar você para ler o texto de Mateus 18.1-5; os discípulos começam uma discussão: quem é o maior no reino dos céus? É a questão do poder humano. Jesus responde: uma criança, na sua simplicidade e humildade de vida e coração. Em Marcos 10.35-45 é a vez de Tiago e João apresentarem um pedido especial para Jesus: Senhor queremos na tua glória ficar um a tua direita e outro a tua esquerda. Jesus responde que eles não sabem o que estão pedindo. Esta é mais uma manifestação da “sedução” do poder. Não bastava o reino de Deus como premio, era necessária a manifestação do poder humano. Local de destaque, ser o centro das atenções. Em outra situação Jesus recomenda especificamente que ninguém deveria se assentar nos primeiros bancos, mas nos últimos e então o dono da festa convidaria para vir para os lugares de honra e finaliza: aquele que deseja se exaltar será humilhado, mas o que se humilhar será exaltado. Enfim, conflitos pela busca do poder não é algo que possa assustar Deus. Mas com certeza fere a comunidade de fé, as pessoas que vivem em torno de nós e muitas vezes nossa própria família. Precisamos entender o propósito de Deus em nossas vidas, especialmente no exercício do poder. Hoje em dia é comum um discurso que “devemos honrar” os lideres, que eles devem sempre ter o melhor, etc. Jesus ensinou que devemos ser servos. Em Filipenses 2.5-10 encontramos a melhor definição de como Jesus entendia a questão do poder: Ele abriu mão de tudo, da sua gloria, do seu poder, para ser servo, para nos dar vida e salvação. Neste momento você deve estar se perguntando então está tudo errado? Não deve haver lideres no lar, na comunidade, na igreja? Claro que sim. Mas nossa liderança deve estar baseada em Efésios 4.11-16, onde encontramos a distribuição de dons e ministérios, autoridade e poder, mas com um fim próprio: edificar o corpo de Cristo. Ou seja, somos chamados para o “aperfeiçoamento dos santos”, desempenho do serviço e edificação do corpo de Cristo. Isto é ter poder e caráter de Cristo. O próprio apostolo Paulo afirma que devemos “considerar os outros superiores a nós mesmos”. Você consegue imaginar isto? Considerar os outros superiores a você? Quantas vezes não temos nem mesmo a disposição de ouvir outras pessoas porque achamos que sabemos mais do que a outra pessoa. Quantas vezes no relacionamento conjugal nos julgamos superiores ao nosso cônjuge, ou muitas vezes até mesmo os filhos se julgam superiores aos seus pais, avós. Quero fazer alguns desafios a você: primeiro lugar estudar com sua classe de escola bíblica, ou em família, os textos sobre dons na igreja, em Romanos, Coríntios e Efésios. Segundo ao mesmo tempo responder se você hoje está exercendo seus dons como expressão ministerial de serviço em humildade ou como dominador. “o meu ministério”, a “minha igreja”, “eu sou, faço, aconteço”, “se não fosse por mim esta igreja já teria fechado”, enfim, expressões que revelam o desvio do propósito de Deus para sua vida. Terceiro você tem experimentado a graça de Deus em sua vida? O apostolo Paulo considerou tudo o que era importante para sociedade “esterco” e reconheceu que a graça de Deus havia alcançado a vida dele. Quarto hoje você se considera servo? Reconhece que se não fosse à graça de Deus você não estaria ou chegaria onde está? Como você tem tratado os seus familiares? As vezes tratamos os nossos familiares como as pessoas que trabalham conosco, especialmente quando exercemos função de chefia. Como se nossa família fossem nossos funcionários. Hoje você pode dizer: “Sou o que sou” pela graça de Deus. Você reconhece que tudo o que você tem não é pelos seus merecimentos ou competência? mas pela graça de Deus? Lembre-se é fundamental em todas as áreas da vida é associar o poder de Deus ao caráter de Cristo em todas as áreas da vida, em todas as ações praticadas! É tempo de mudança de vida! Experimente o poder de Deus na sua vida!


Link: http://www.revistalarcristao.com.br
 

Começar de novo!

O perdão restaura corações e liberta mentes!

Corrie Ten Boom foi uma mulher holandesa cristã, que na época da Segunda Guerra Mundial escondia judeus em sua casa e, depoi...

Usuários do Twitter têm namoros mais curtos, conclui pesquisa

Os usuários mais frenéticos do Twitter que se cuidem: uma pesquisa conduzida pelo site de namoro OkCupid concluiu que usuários frequentes do Twitter têm relacionamentos m...

O Direito de Primogenitura

Nem todos os filhos têm a visão do pai, assim também é em relação aos filhos de Deus. Nem todos os filhos de Deus têm recebido da Sua visão. Muitas devem ser as razões,...

Leia mais...

Olha quem está a frente da nossa juventude…

Quem tem dado rumo a juventude do Brasil? Quem tem sido referência para os meninos e meninas que crescem numa velocidade absurdamente alta, alimentados pela Rede Globo ...
Leia mais...
Página 1 de 12

estudosbiblicos5