..::Ministério da Reconciliação::..

Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Família Filhos FAMÍLIA ESTRUTURADA - PREVENÇÃO CONTRA AS DROGAS

FAMÍLIA ESTRUTURADA - PREVENÇÃO CONTRA AS DROGAS

E-mail Imprimir PDF

Pr. Elinaldo Renovato de Lima

INTRUDOÇÃO

Nos últimos anos, tem-se intensificado a escalada das drogas no Brasil. Em recente reportagem, a revista Veja chamou a atenção , em sua capa, para o problema, denominando-o o "NarcoBrasil", ou seja, o país do narcotráfico, considerado já o segundo maior consumidor de cocaína do mundo. É uma notória e triste classificação para a nossa Pátria. Em conseqüência do avanço das drogas, as famílias estão expostas ao perigo, vendo os adolescentes, jovens e até crianças, sendo usados como consumidores do tóxico. O que fazer? É uma questão a que muitos não sabem como responder. Para responder bem, precisamos saber quais as causas que levam uma pessoa a consumir drogas.

CAUSAS DO VÍCIO DAS DROGAS

São muitas as causas que levam as pessoas, principalmente os jovens e adolescentes a se envolverem com as drogas. Dentre elas, destacamos as seguintes:

1) Influência de (falsos) amigos.

O jovem, na escola ou no trabalho, relaciona-se com diversos tipos de colegas. Dentre esses, há os que são viciados, que passam para os outros a idéia de que as drogas são desejáveis; muitos, sem o devido preparo doméstico para viver em coletividade, acabam se deixando envolver, para não ser diferente do grupo, para não sofrer a pressão dos outros. Os viciados não se contentam em ficar drogados sozinhos. Eles, como os alcoólatras, os jogadores de baralho, não sabem viver sem levar outros para o abismo, como diz a Bíblia: "Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas..." (Sl 42.7).

2) Curiosidade e aventura.

O jovem é por natureza curioso. Os adolescentes costumam examinar tudo em sua volta. Ao deixaram a infância, quando viviam dominados por seus pais, em sua maioria, quando chegam à adolescência, querem se "libertar" do jugo dos mais velhos , e descobrirem o mundo por conta própria. Até certo ponto, isso é bom, pois passam a Ter uma visão própria do mundo. O perigo é que eles não sabem discernir entre o bem e o mal. A curiosidade os leva a experimentar certas coisas, dentre as quais o tóxico, que os leva para a prisão da dependência e até da morte. O espírito aventureiro do jovem, se não for bem canalizado para coisas boas, os leva ao pantanal do vício. Daí a importância de integração do jovem e do adolescentes com pessoas que lhe sirvam de padrão, de modelo sadio.

3) Desajuste familiar.

Sem sombra de dúvida, é a causa principal do envolvimento dos jovens e adolescentes com as drogas. O lar é (ou deve ser) o ponto de referência para o adolescente e jovem; o que se passa em casa serve de parâmetro para o seu comportamento em outros lugares; se eles vêm que seus pais são unidos, amáveis, e fiéis, isso serve de referência para sua vida com outras pessoas.

O lar é ponto de apoio. Toda pessoa precisa Ter seu ponto de apoio na vida. Esta é insegura e imprevisível. O dia de amanhã não nos pertence, diz a Bíblia. O adolescente em geral é inseguro, ante a realidade que o cerca. Normalmente, ele se indaga quanto ao porque de sua existência, quem ele é, por que é assim e não de outra forma; qual será o seu futuro, com quem casar, ou não; qual será sua profissão, enfim, como será o amanhã. Com tais indagações na cabeça, acaba mergulhado em questões existenciais, que exigem respostas convincentes e não apenas teoria ou doutrina vazia. Diante disso, o adolescente e o jovem precisam de ter seu ponto de apoio na vida.

E o lar é o ponto de apoio inicial para qualquer pessoa que vem ao mundo. Infelizmente há os que não sabem ou nunca souberam o que é um lar. Conheceram uma casa, um prédio, um edifício, pobre ou rico, com lama ou com piscina; com carro de luxo ou camburão da polícia na porta, e não sabem o que é um lar. Daí, ficam sem o apoio inicial para suas instabilidades emocionais e espirituais.

O lar deve servir de porto seguro para o jovem inquieto. Se ele recebe amor e carinho de seus pais; se sentem valorizados e reconhecidos, têm um auto-estima elevada, e não se deixam seduzir pelos convites e apelo de pessoas infelicitadas pelo vício. Se têm diálogo com seus pais, aprendem que eles são seus verdadeiros amigos, e não se deixam levar pelos falsos amigos da escola, da rua ou do trabalho. Porém, quando isso lhes falta em casa, acabam indo buscar inconscientemente lá fora, em ambientes poluídos pelo vício e pela prostituição.

4) A falta de Deus na vida.

Se o desajuste familiar é a causa primeira para o envolvimento com as drogas, a falta de Deus na vida é a causa-mãe de todo o problema. Quando a pessoa tem a presença de Deus em sua vida, sente força e energia interior, para fazer frente ao vício, encarado como pecado, como ofensa a Deus. Conhecemos inúmeros casos de jovens, filhos de pais separados, viciados, e até drogados, que não querem nada com o tóxico. Eles aceitaram a Cristo como seu salvador e foram libertos dos traumas familiares, e passam a ver situação do ponto de vista espiritual, reconhecendo que o mal é causado pelo Adversário de suas almas, e passam a enfrentar o problema de frente, sem medo e sem fraqueza. Cumpre-se o que diz S. Paulo: "Eis que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo" (2 Co 5.17).

A SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA DAS DROGAS

A Bíblia diz para os crentes: " resisti ao diabo, firmes na fé, e ele fugirá de vós" (Tg 4.7). Quando o jovem tem o Espírito Santo em sua vida, ele tem forças sobrenaturais para vence o mal. O vício é um agente do diabo para a destruição de vidas. Ele não pode ser combatido somente com ensino, instrução, técnica, e ações policiais. Tem que ser combatido no lado espiritual, e só Deus dá vitória contra o diabo. S. João , dirigindo-se aos jovens, diz: "Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno" (1 Jo 2.14). Esta é uma verdade que os educadores materialistas não querem aceitar.

Num encontro de autoridades , educadores, psicólogos, havido em Natal, um jovem cristão resolveu comparecer para dar seu testemunho, dizendo que estava liberto das drogas. Ele foi barrado. Uma senhora, evangélica, que quis falar sobre o Desafio Jovem, também foi impedida de falar no encontro, pois seus promotores alegaram que não acreditavam em religião, e que ali estavam, analisando o problema das drogas sob o ponto de vista científico. Nada temos contra a verdadeira ciência, que estuda as causas e os efeitos dos fenômenos observáveis. Entretanto, a ciência não explica tudo. É limitada àquilo que pode ser percebido pelos sentidos normais do ser humano. Mas existe o lado espiritual da realidade humana, que não se explica em termos racionais.

As drogas, assim como a prostituição , as bebidas, a violência, são agentes utilizados pelo diabo para a destruição de preciosas vidas. Tudo isso tem origem espiritual e não científica, em última análise. Se as autoridades e a sociedade quer ver o problema das drogas resolvido, e o vício vencido, terá que reconhecer que as causas estão no desajuste familiar e na falta de princípios e valores espirituais na vida das pessoas, especialmente dos pais e dos jovens, que não dão valor às coisas de Deus, à igreja verdadeira e à Sua Palavra. Fora dessa perspectiva, que valoriza a parte espiritual, não há esperança nem solução para o problema dos tóxicos, que tem origem na fonte do mal , que é o diabo. Se alguém é livre de drogas, aqui e ali, muitos outros serão atraídos pelas forças diabólicas do vício. Sem Deus e sem família não há solução.

CONCLUINDO

Assim, dente as causas mais importantes que contribuem para que os jovens se envolvam com as drogas, ressaltamos que o desajuste familiar a falta de Deus na vida são as que mais concorrem para que vidas sejam destruídas. Não adiantam campanhas de educação, campanhas publicitárias dos governos, visando prevenir o problema. Na realidade elas apenas atacam os efeitos. As causas precisam ser analisadas e tratadas com realismo e coragem. A família precisa ser valorizada.
Infelizmente, na mídia, especialmente na TV, a família tradicional , nuclear, que é o modelo criado por Deus, está sendo ridicularizado, desmoralizado, em novelas, programas humorísticos e em muitos outros; em cadernos de jornais, é comum vermos articulistas exaltando o homossexualismo, a prostituição, o adultério e a fornicação como sendo coisas elevadas, atualizadas, modernas, desejáveis; enquanto que a família, o casamento e o lar são vistos como coisas ultrapassadas, "caretas", e quadradas.
Que adianta combater o tráfico de drogas se a família está sendo destruída pelos falsos formadores de opinião, nas escolas, nas faculdades, onde professores materialistas passam para os adolescentes em formação , que a prostituição de meninas e meninos nada tem de mais, desde que eles tenham o cuidado de usar a camisinha? A tão decantada "educação" sexual nas escolas, no País, está sendo transmitida por pessoas em grande maioria racionalistas e materialistas, que apenas passam instruções. É uma "educação" informativa, apenas. Que mostra o corpo, seu funcionamento, e diz que tudo é certo, nada é errado, depende da pessoa, num relativismo perigoso, que não valoriza a ética, os bons costumes e os princípios espirituais, emanados da palavra de Deus. Aliás, a Bíblia é palavra proibida na maior parte dos ambientes escolares. Com Deus fora da Escola, ela fica do jeito que o diabo gosta, pois o ser maligno tem todo o ambiente para agir nas mentes de professores e alunos, levando-os para o mal, para a prostituição e para as drogas. A juventude está necessitando de uma educação formativa, que contemple não só instruções, mas valores éticos e morais elevados, que norteem a vida deles. Ainda bem que algumas autoridades já estão despertando pelo menos para uma parte das causas do problema das drogas.
A seguir, transcrevemos um texto de um artigo de jornal, em que uma autoridade no assunto reconhece que a família precisa ser valorizada.

"FAMÍLIA CONTRIBUI COMO SÉRIA CAUSA"

A principal causa da escalada das drogas no Rio Grande do Norte, assim como em todo o Brasil, está na própria família. Essa conclusão é da presidente do Conselho Estadual de Entorpecentes do Rio Grande do Norte (Conen), delegada de policia Antônia Deusa Martins dos Santos, que aponta esse núcleo social co-mo o alvo a ser tratado, no pro-cesso de combate ao tráfico.
Segundo ela, o problema das drogas deve ser visto como uma grande árvore, que cresce continuamente. "O segredo para se matar essa árvore é atacar um ponto que está na raiz: a família'; disse Antônia Deusa, revelando que todos os casos que chegam ao Conen são de jovens perten-centes a famílias desajustadas emocionalmente. "Quando os pais chegam aqui e conversamos durante dez minutos, já dá para identificar que muitas vezes eles próprios são o motivo dos filhos terem se envolvido com drogas."
Para a delegada, maus hábitos, assim como ausência e falta de amor dos pais, aliados à concessão de liberdade exacerbada aos filhos, são as principais armas dos traficantes no momento de atrair jovens sadios para o submundo das drogas. Antônia Deusa lembrou ter caído por terra o estigma de que apenas as famílias pobres são vítimas do narcotráfico e procuram ajuda para seus filhos. "Apesar de chegarem aqui cheias de receio, as famílias de classe alta nos procuram tanto quando as pobres, simplesmente porque elas não têm escolha, precisam de ajuda."
No Conen, essas pessoas são orientadas a manter um diálogo estreito com os filhos, ganhando sua confiança e, principalmente, a impor limites a eles, como forma de protegê-los da ação dos traficantes. "Tem gente que me diz: 'Mas eu não sei porque isso acontece. Eu amo tanto meu filho, dou tudo a ele'. Não entendem que é justamente aí onde está o problema. Eles deixam os filhos fazer tudo o que querem", observa a delegada, frisando que a participação da família na prevenção e coibição das drogas é fundamental.
"No momento em que uma família se estrutura e o filho passar a enxergar os pais como amigos, ele não dará mais atenção aos traficantes, que são uma espécie de falsos amigos. Sem ter a quem vender, todo o sistema de distribuição de drogas estará prejudicado", concluiu a delegada". (Extraído do Diário de Natal, de 27 de novembro de 1999).

Reprodução autorizada do site www.assembleiadedeus-rn.org.br/familia/port/index.htm

 

licoesbiblicasnovas1